Perigo de não se vacinar contra h1N1

O surto de H1N1 no Brasil, com grande foco no estado de São Paulo neste ano de 2016, levou muitas pessoas a se perguntarem sobre os perigos de não se vacinar contra a H1N1.

Foi por isso que nós da clinica de vacinação resolvemos, por meio deste artigo, tirar todas as dúvidas quanto aos benefícios e riscos contidos na vacina contra a H1N1.

Para começar, é importante frisar que a vacina é fundamental para a garantir a saúde do ser humano, principalmente daqueles que se encontram na zona de risco. Ou seja, as gestantes, as mulheres que tiveram filhos nos últimos 45 dias, crianças entre 6 meses e 5 anos, bem como os idosos.

Para todos estes, o vírus da H1N1 oferece riscos extremos, devido a debilidade do sistema imunológico que não consegue combater o vírus, deixando que ele se instale e – pior – espalhe-se.

Como você deve imaginar, quando isso acontece, a pessoa desenvolve a Gripe A, que por sua vez gera uma série de sintomas severos, podendo levar a morte em um curto espaço de tempo.

Por isso, a vacinação contra a H1N1 é tão importante para todas as pessoas, principalmente aquelas que se encontram no grupo de risco.

Este ano, o Ministério da Saúde está distribuindo a Vacina Trivalente contra H1N1 na rede pública, facilitando o acesso ao antídoto para todas as camadas da sociedade. Porém, a vacina Quadrivalente (também chamada de Tetravalente) só pode ser encontrada na rede privada de saúde.

Mas, você sabe qual a diferença entre elas? Não? Então fique atento ao nosso próximo tópico!

DIFERENÇAS ENTRE VACINA TRIVALENTE E QUADRIVALENTE CONTRA A H1N1

Como o nome sugere, a principal diferença entras as vacinas Trivalente e Quadrivalente é que uma contém 03 cepas (trivalente) enquanto a outra conta com quatro cepas (Quadrivalente).

Sendo assim, a vacina distribuída pelo sistema público é a mesma utilizada em 2015, trivalente, que contém uma cepa A/H1N1, uma cepa A/H3N2 e uma cepa B (três tipos de vírus influenza).

O Ministério público optou pela vacina trivalente, pois acredita que neste último ano o vírus H1N1 não sofreu nenhuma mutação/evolução.

Porém, o que acontece é que – por mais que o vírus não tenha mudado – o vírus H3N2 e a cepa B mudaram neste último ano. Por isso, foi criada a vacina Quadrivalente, que oferece a mesma imunização da trivalente, porém com um “bônus”: uma cepa B a mais, o que torna a vacina Quadrivalente mais completa que a distribuída pelo sistema público.

Em geral, os infectologistas afirmam que aqueles que já tomaram a vacina trivalente não devem se sentir inseguros, pois ela também inibe o vírus H1N1 (que causou o surto), a única diferença é que a Quadrivalente possui uma cepa a mais, que combate a espécie de vírus B, o qual teve poucos casos em território brasileiro.

Portanto, se você já tomou a vacina da rede pública, pode ficar tranquilo que você também está seguro.

h1n1POSSÍVEIS EFEITOS COLATERAIS

Como qualquer outro medicamento, a vacina contra a H1N1 (seja ela tri ou Quadrivalente) causa alguns efeitos colaterais. Por exemplo, como elas são aplicadas intramuscularmente, é normal sentir a região da aplicação mais sensível ao longo do dia.

Há também aqueles que, em algumas ocasiões, apresentaram episódios de febre e mal-estar, nas primeiras 24 horas. Porém, estes episódios nunca duraram mais que um dia corrido, ou se agravaram para vômitos, diarreias, hemorragia, etc.

Portanto, se você tomou a vacina e sentiu febre, mal-estar ou dor no braço da aplicação, pode ficar tranquilo que tudo isso vai passar!

Outra queixa comum parte de algumas pessoas as quais acreditam que a vacina contra H1N1 causa gripe. O que é biologicamente impossível, uma vez que o vírus utilizado na vacina está “morto”.

O que pode acontecer é o paciente já ter contraído gripe, mas ela ainda não ter se manifestado. O que anula a eficácia da vacina, uma vez que o tempo para o sistema imunológico responder a vacina é entre duas e três semanas.

CONTRAINDICAÇÃO

Ainda, como qualquer outro medicamente, obviamente a vacina contra H1N1 (não importa qual versão dela) apresenta algumas contraindicações.

Portanto, pessoas que apresentem quadro de hipersensibilidade ao ovo não devem tomar a vacina, uma vez que o antídoto é feito com os elementos do próprio ovo.

Além disso, a vacina é contraindicada em casos de pacientes que apresentem reação anafilática. Sendo assim, estas pessoas até podem tomar a vacina, porém devem fazê-lo em ambiente hospitalar, para atendimento rápido caso haja alguma complicação.

E aí, gostou do artigo? Então não deixe de compartilhar com os seus amigos no Facebook e conscientizar a sua família quanto a importância de tomar a vacina contra a H1N1!

Procure uma clinica de vacinação,

Colaborador Administrador Bushcraft.com.br

Escreveu 121 post para esse blog.

Somos um blog colaborativo sobre Bushcraft, quer postar seu conteúdo aqui? mande um e-mail para divulgarmeuprojeto@bunkerbrazil.com.br

Visite a Loja do Sobrevivencialismo


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *